X
X
X
X
Voltar ao topo

“As MPS possuem apresentação variável e amplo espectro de gravidade. Eles podem se apresentar como uma disfunção em um único órgão ou um problema pediátrico comum. A doença pode facilmente passar despercebida entre os especialistas. Sem alto índice de suspeita e exames detalhados, os distúrbios podem passar despercebidos por anos mesmo após cirurgia.” –Dr. Choy

Reconheça a possibilidade—tenha suspeitas

Em muitas condições genéticas, o atraso no diagnóstico é comum devido à ausência de suspeita clínica

Muitos pacientes com distúrbios da mucopolissacaridose (MPS) apresentam atraso significativo no diagnóstico em decorrência da raridade da doença, heterogeneidade fenotípica e uma miríade de sintomas aparentemente não relacionados com a doença.1-3 Em uma pesquisa recente de pacientes com doenças raras (N=920) patrocinada pelo Global Genes Project, a duração média relatada desde a manifestação do sintoma até o diagnóstico preciso foi de 4,8 anos, com variação de 0 a 20 anos.4 Normalmente mal interpretadas como doenças musculoesqueléticas, as MPS possuem são um grupo de deficiências enzimáticas hereditárias que se manifestam em complicações progressivas, multissistêmicas e de risco à vida.5-7

O surgimento de terapias específicas para alguns distúrbios de MPS aumentou a necessidade de um diagnóstico preciso e precoce.1,6,8-10 Qualquer atraso no diagnóstico ou no tratamento pode resultar no seguinte:

  • Complicações sistêmicas sérias11,12
  • Dano irreversível ao órgão12
  • Atraso no início da terapia de reposição enzimática (TRE) para tratar a deficiência enzimática subjacente2
  • Ausência de acesso a tratamento específico da doença, com aumento concomitante no risco de mortalidade cirúrgica1,6,9,10,13
Já que existe tratamento para várias MPS, o atraso no diagnóstico pode significar atraso na terapia e/ou atraso no tratamento específico da doença.6,9,10

MPS: escondido a plena vista

O reconhecimento precoce depende da suspeita inicial

As MPS possuem são clinicamente heterogeneas e resultam em complicações sérias, independentemente da taxa de progressão, o que pode variar de uma progressão lenta a rápida. Enquanto as taxas de progressão são uma caracterização geral da gravidade da doença, os pacientes com progressão lenta também apresentam riscos de morbidades sérias e mortalidade geralmente associadas à doença de progressão rápida.2,6,14

  • Se não tratados, muitos indivíduos não vivem muito além da idade adulta (segunda e terceira década).15
  • Indivíduos com doença de progressão lenta normalmente apresentam sintomas mais tarde durante a vida.14,16

Pacientes com MPS podem apresentar padrões clássicos ou não clássicos de sinais e sintomas.16

  • A sintomatologia clássica pode se apresentar como padrões mais facilmente reconhecíveis de sinais e sintomas que foram amplamente documentados na literatura e na prática clínica.16
  • A sintomatologia não clássica pode se apresentar de forma mais sutil—sem características faciais distintas, baixa estatura ou envolvimento musculoesquelético evidente das formas clássicas de MPS—tornando esse fenótipo mais difícil de ser distinguido de outros distúrbios esqueléticos ou metabólicos mais comuns.16
  • Por exemplo, uma pesquisa recente indicou que aproximadamente 25% dos pacientes com Síndrome de Morquio A (MPS IVA) apresentam um fenótipo não clássico.17
  • overview1.1
    Paciente não clássico
  • overview1.2
    Paciente não clássico

A doença de progressão lenta—e/ou aparência fenotípica não clássica—pode dar a falsa ideia de curso clínico grave na progressão de órgão específico.18 Independentemente do fenótipo, os sintomas podem progredir para dano em órgão alvo.12

Sinais evidentes e geralmente observáveis devem despertar sua suspeita

Independentemente do contexto clínico, pode haver sinais evidentes e geralmente observáveis que devem despertar sua suspeita. Mediante outros exames, a sintomatologia adicional pode ser descoberta por meio de avaliações clínicas direcionadas específicas da especialidade, achados laboratoriais e história do paciente. Essa divisão é representada abaixo.

Sinais e sintomas da MPS1,2,5,11,12,16-28

Musculoequelético

Características gerais

  • Marcha anormal
  • Displasia óssea
  • Contratura das mãos em forma de garra
  • Características faciais grosseiras
  • Dor articular
  • Macrocefalia
  • Pectus carinatum
  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Baixa estatura/retardo do crescimento*

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Marcha anormal
  • Deformidades ósseas
  • Disostose multiplex
  • Geno valgo
  • Envolvimento articular (contraturas, frouxidão ligamentar) sem inflamação
  • Subluxação da coluna
Reumatológico

Características gerais

  • Mobilidade articular reduzida
  • Rigidez e dor no quadril
  • Dor articular
  • Rigidez ou frouxidão articular

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Síndrome do túnel do carpo
  • Envolvimento articular sem inchaço articular ou lesões ósseas erosivas
Otorrinolaringológico

Características gerais

  • Perda auditiva condutiva e/ou neurossensorial
  • Aumento da língua
  • Otite média

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Epiglote anormal
  • Ponte nasal deprimida
  • Hipertrofia da adenoide
  • Hipertrofia da tonsila
  • Muco no ouvido médio
  • Estreitamento da via aérea supraglótica e intraglótica
  • Malformação ossicular
  • Rinorreia recorrente e excessiva
  • Otite média recorrente
  • Espessamento/compressão traqueal
  • Obstrução tubular
  • Espessamento da membrana timpânica
Oftalmológico

Características gerais

  • Catarata
  • Opacidade corneana difusa
  • Glaucoma

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Ambliopia
  • Opacidade corneana com aparência característica de “vidro fosco”
  • Hipermetropia alta
  • Hipertelorismo
  • Anormalidades do nervo óptico (inchaço e atrofia)
  • Vascularização periférica da córnea
  • Pseudo-exoftalmia progressiva
  • Redução na acuidade visual
  • Retinopatia
  • Estrabismo
Neurológico

Características gerais

  • Anormalidades comportamentais (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Atraso no desenvolvimento (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Comprometimento auditivo
  • Convulsões (normalmente não presente na MPS IVA e VI)

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Cistos aracnoides (normalmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Atrofia cerebral (normalmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Síndrome do túnel do carpo
  • Compressão/mielopatia/subluxação da medula espinhal
  • Aumento dos espaços perivasculares
  • Hidrocefalia
  • Displasia odontoide
  • Paquimeningite cervical
  • Papiledema/atrofia óptica
  • Surdez neurossensorial
  • Anormalidades da intensidade de sinal
  • Estenose do canal espinhal
  • Ventriculomegalia
Cardiovascular

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Hipertensão pulmonar
  • Válvulas mitrais ou aórticas espessadas, regurgitantes ou estenóticas na presença de hipertrofia do ventrículo esquerdo
  • Regurgitação tricúspide
Pulmonar

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Apneia do sono

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Vias aéreas superiores e inferiores obstruídas (estreitamento dos brônquios, estreitamento da via aérea supraglótica e intraglótica)
  • Redução progressiva no volume pulmonar
  • Infecções respiratórias
  • Distúrbios do sono (síndrome da apneia/hipopneia obstrutiva do sono e síndrome de resistência da via aérea superior)
Gastrointestinal

Características gerais

  • Dor abdominal
  • Constipação
  • Hepatoesplenomegalia
  • Hérnias
  • Fezes soltas

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Hepatoesplenomegalia
Odontológico

Características gerais

  • Superfície bucal anormal
  • Dentinogênese imperfeita
  • Hipodontia
  • Cúspide aguda
  • Incisivos em forma de pá
  • Esmalte fino

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Superfície bucal anormal
  • Esmalte fino

aEnvolvimento esquelético e baixa estatura podem ser menos evidentes em alguns pacientes

Como manifestações esqueléticas são comuns entre indivíduos com MPS, esses distúrbios podem se assemelhar ou se apresentar como outras doenças musculoesqueléticas.1,10,16 A MPS deve ser considerada em uma diversidade de contextos clínicos, incluindo o seguinte16,29:

  • Clínicas de displasia esquelética
  • Ortopedia
  • Reumatologia pediátrica
  • Clínicas de metabolismo ósseo
O comprometimento cognitivo e mental não são indicativos de distúrbios da MPS. Nunca descarte a MPS com base na ausência de comprometimento cognitivo/mental.1

O encaminhamento imediato e o diagnóstico são a melhor chance de melhorar a vida dos pacientes1,6; compreenda os principais indicadores clínicos da MPS e encaminhe os pacientes suspeitos imediatamente a um geneticista ou centro metabólico para teste diagnóstico.1,16,29

Os pacientes com MPS são diferentes—descubra o espectro completo

Na sua prática diária, apresentações diversas podem complicar a identificação do paciente

A melhor forma de diagnosticar precisamente a MPS é encaminhar um paciente a um geneticista que seja familiarizado com a MPS e saiba como confirmar o diagnóstico.1,19

Você deve suspeitar de MPS quando confrontado por pacientes que

  • Apresentam qualquer número ou padrão de sinais heterogêneos e aparentemente não relacionados1,19
  • Possuem alta necessidade e carga cirúrgica1,19

Quando suspeitar de MPS, faça o encaminhamento imediatamente a um geneticista ou centro metabólico.1,19

A identificação precoce depende da análise de todo o quadro clínico e de saber os principais indicadores clínicos da MPS.1,2,6,10,19

Descubra a patologia por trás da apresentação

Distúrbios da MPS apresentam patologias e mecanismos semelhantes, independentemente da deficiência enzimática específica.1,6

A MPS é uma categoria de distúrbios de armazenamento lisossômico. Existem 11 distúrbios de MPS identificados com idades médias variáveis de manifestação, que podem não se correlacionar com a idade no diagnóstico. Cada um deles é causado por deficiência de uma enzima lisossômica.1,2,6,10,19

As MPS possuem apresentam patologias e mecanismos semelhantes, independentemente da deficiência enzimática específica.1,6

  • Enzimas lisossômicas degradam glicosaminoglicanos (GAGs).1,6
  • O acúmulo de GAGs no organismo causa dano progressivo que se manifesta em uma variedade de consequências multissistêmicas.1,6

Por exemplo, o vídeo abaixo apresenta o mecanismo da doença de Morquio A (MPS IVA).

Otimize os resultados—altere o curso clínico de seus pacientes

Medical home [cuidados médicos centrados no paciente]: um modelo de fornecimento tratamento ideal para distúrbios da MPS

Décadas de pesquisas terapêuticas e de doenças e práticas resultaram em novas abordagens para o gerenciamento clínico de distúrbios da MPS. No centro da nova era atual de tratamento encontra-se o medical home—um modelo de fornecimento de tratamento coordenado, multidisciplinar.6,33-35

Os riscos e necessidades exclusivos associados a essas condições multissistêmicas e complexas são tratadas melhor pela coordenação da TRE (se disponível) com o medical home, criando 3 pilares de tratamento.2,6,8,36-38

Como o paradigma de tratamento continua a evoluir, alterações nas melhoras práticas e estratégias continuam a mostrar uma promessa maior para os pacientes e famílias afetadas pelos distúrbios.8,31

O encaminhamento imediato para diagnóstico é essencial para otimizar o tratamento de pacientes com MPS.1,2,6

Diagnostico precoce leva a intervenções precoce.
Evitando o atraso.

É uma nova era de tratamento. Mantenha-se informado.

References:  1. Lehman TJA, Miller N, Norquist B, Underhill L, Keutzer J. Diagnosis of the mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v41-v48.  2. Hendriksz C. Improved diagnostic procedures in attenuated mucopolysaccharidosis. Br J Hosp Med. 2011;72(2):91-95.  3. Hendriksz CJ, Al-Jawad M, Berger KI, et al. Clinical overview and treatment options for non-skeletal manifestations of mucopolysaccharidosis type IVA. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):309-322. doi:10.1007/s10545-012-9459-0.  4. Engel PA, Bagal S, Broback M, Boice N. Physician and patient perceptions regarding physician training in rare diseases: the need for stronger educational initiatives for physicians. J Rare Disord. 2013;1(2):1-15.  5. Clarke LA, Winchester B, Giugliani R, Tylki-Szymańska A, Amartino H. Biomarkers for the mucopolysaccharidoses: discovery and clinical utility. Mol Genet Metab. 2012;106(4):396-402. doi:10.1016/j.ymgme.2012.05.003.  6. Muenzer J, Beck M, Eng CM, et al. Long-term, open-labeled extension study of idursulfase in the treatment of Hunter syndrome. Genet Med. 2011;13(2):95-101. doi:10.1097/GIM.0b013e3181fea459.  7. Muenzer J. Early initiation of enzyme replacement therapy for the mucopolysaccharidoses. Mol Genet Metab. 2014;111(2):63-72. doi:10.1016/j.ymgme.2013.11.015.  8. Muenzer J, Wraith JE, Clarke LA, International Consensus Panel on the Management and Treatment of Mucopolysaccharidosis I. Mucopolysaccharidosis I: management and treatment guidelines. Pediatrics. 2009;123(1):19-29. doi:10.1542/peds.2008-0416.  9. Clarke LA. Pathogenesis of skeletal and connective tissue involvement in the mucopolysaccharidoses: glycosaminoglycan storage is merely the instigator. Rheumatology (Oxford). 2011;50(suppl 5):v13-18. doi:10.1093/rheumatology/ker395.  10. Morishita K, Petty RE. Musculoskeletal manifestations of mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v19-v25. doi:10.1093/rheumatology/ker397.  11. Hendriksz CJ, Berger KI, Giugliani R, et al. International guidelines for the management and treatment of Morquio A syndrome. Am J Med Genet Part A. 2014;9999A:1-15. doi:10.1002/ajmg.a.36833.  12. Berger KI, Fagondes SC, Giugliani R, et al. Respiratory and sleep disorders in mucopolysaccharidosis. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):201-210. doi:10.1007/s10545-012-9555-1.  13. Spinello CM, Novello LM, Pitino S, et al. Anesthetic management in mucopolysaccharidoses. ISRN Anesthesiol. 2013;2013:1-10. doi:10.1155/2013/791983.  14. Lampe C. Attenuated mucopolysaccharidosis: are you missing this debilitating condition? Rheumatology (Oxford). 2012;51(3):401-402. doi:10.1093/rheumatology/ker375.  15. Tomatsu S, Montaño AM, Oikawa H, et al. Mucopolysaccharidosis type IVA (Morquio A disease): clinical review and current treatment: a special review. Curr Pharm Biotechnol. 2011;12(6):931-945. doi:1389-2010/11.  16. Lachman RS, Burton BK, Clarke LA, et al. Mucopolysaccharidosis IVA (Morquio A syndrome) and VI (Maroteaux-Lamy syndrome): under-recognized and challenging to diagnose. Skeletal Radiol. 2014;43(3):359-369. doi:10.1007/s00256-013-1797-y.  17. Montaño AM, Tomatsu S, Gottesman GS, Smith M, Orii T. International Morquio A Registry: clinical manifestation and natural course of Morquio A disease. J Inherit Metab Dis. 2007;30(2):165-174. doi:10.1007/s10545-007-0529-7.  18. Thümler A, Miebach E, Lampe C, et al. Clinical characteristics of adults with slowly progressing mucopolysaccharidosis VI: a case series. J Inherit Metab Dis. 2012;35(6):1071-1079. doi:10.1007/s10545-012-9474-1.  19. Muenzer J. The mucopolysaccharidoses: a heterogeneous group of disorders with variable pediatric presentations. J Pediatr. 2004;144(suppl 5):S27-S34.  20. Kinirons MJ, Nelson J. Dental findings in mucopolysaccharidosis type IV A (Morquio’s disease type A). Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1990;70(2):176-179.  21. Lachman R, Martin KW, Castro S, Basto MA, Adams A, Teles EL. Radiologic and neuroradiologic findings in the mucopolysaccharidoses. J Pediatr Rehabil Med. 2010;3(2):109-118. doi:10.3233/PRM-2010-0115.  22. Cimaz R, Coppa GV, Koné-Paut I, et al. Joint contractures in the absence of inflammation may indicate mucopolysaccharidosis [hypothesis]. Pediatr Rheumatol Online J. 2009;7:18. doi:10.1186/1546-0096-7-18.  23. Fahnehjelm KT, Ashworth JL, Pitz S, et al. Clinical guidelines for diagnosing and managing ocular manifestations in children with mucopolysaccharidosis. Acta Ophthalmol. 2012;90(7):595-602. doi:10.1111/j.1755-3768.2011.02280.x.  24. Zafeiriou DI, Batzios SP. Brain and spinal MR imaging findings in mucopolysaccharidoses: a review. AJNR Am J Neuroradiol. 2013;34(1):5-13. doi:10.3174/ajnr.A2832.  25. Braunlin EA, Harmatz PR, Scarpa M, et al. Cardiac disease in patients with mucopolysaccharidosis: presentation, diagnosis and management. J Inherit Metab Dis. 2011;34(6):1183-1197. doi:10.1007/s10545-011-9359-8.  26. Braunlin E, Orchard PJ, Whitley CB, Schroeder L, Reed RC, Manivel JC. Unexpected coronary artery findings in mucopolysaccharidosis. Report of four cases and literature review. Cardiovasc Pathol. 2014;23(3):145-151. doi:10.1016/j.carpath.2014.01.001.  27. Mesolella M, Cimmino M, Cantone E, et al. Management of otolaryngological manifestations in mucopolysaccharidoses: our experience. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2013;33(4):267-272.  28. Martins AM, Dualibi AP, Norato D, et al. Guidelines for the management of mucopolysaccharidosis type I. J Pediatr. 2009;155(4)(suppl 2):S32-S46. doi:10.1016/j.jpeds.2009.07.005.  29. Wood TC, Harvey K, Beck M, et al. Diagnosing mucopolysaccharidosis IVA. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):293-307. doi:10.1007/s10545-013-9587-1.  30. Data on file. Biomarin Pharmaceutical, Inc.  31. Drummond JC, Krane EJ, Tomatsu S, Theroux MC, Lee RR. Paraplegia after epidural-general anesthesia in a Morquio patient with moderate thoracic spinal stenosis. Can J Anesth. 2015;62(1):45-49. doi:10.1007/s12630-014-0247-1.  32. Sharkia R, Mahajnah M, Zalan A, Sourlis C, Bauer P, Schöls L. Sanfilippo type A: new clinical manifestations and neuro-imaging findings in patients from the same family in Israel: a case report. J Med Case Rep. 2014;8:78. doi:10.1186/1752-1947-8-78.  33. Heese BA. Current strategies in the management of lysosomal storage diseases. Semin Pediatr Neurol. 2008;15(3):119-126. doi:10.1016/j.spen.2008.05.005.  34. Kakkis ED. Enzyme replacement therapy for the mucopolysaccharide storage disorders. Expert Opin Investig Drugs. 2002;11(5):675-685.  35. Agency for Healthcare Research and Quality. Defining the PCMH. https://pcmh.ahrq.gov/page/defining-pcmh. Accessed December 15, 2015.  36. Hwu W-L, Okuyama T, But WM, et al. Current diagnosis and management of mucopolysaccharidosis VI in the Asia-Pacific region. Mol Genet Metab. 2012;107(1-2):136-144. doi:10.1016/j.ymgme.2012.07.019.  37. Klitzner TS, Rabbitt LA, Chang RKR. Benefits of care coordination for children with complex disease: a pilot medical home project in a resident teaching clinic. J Pediatr. 2010;156(6):1006-1010. doi:10.1016/j.jpeds.2009.12.012.  38. Mosquera RA, Avritscher EBC, Samuels CL, et al. Effect of an enhanced medical home on serious illness and cost of care among high-risk children with chronic illness: a randomized clinical trial. JAMA. 2014;312(24):2640-2648. doi:10.1001/jama.2014.16419.