X
X
X
X
Voltar ao topo

“Esperamos que quando o pediatra vir os achados físicos, e se o radiologista solicitar algumas radiografias, [que] eles possam dizer que essas vértebras não têm aparência normal [e] essa criança deve ser encaminhada ao geneticista.” – Dr Harmatz

Envolvimento ocular na MPS: apresentação frequente, possivelmente negligenciada

A oftalmologia exerce uma função importante no diagnóstico precoce da MPS

Manifestações oculares com frequência surgem antes de outras características da mucopolissacaridose (MPS) e variam por tipo e gravidade entre as MPS possuem. Opacidade corneana é uma característica indicativa da MPS.1

O diagnóstico tardio pode levar a

  • Complicações multissistêmicas graves3,5
  • Dano irreversível ou ao órgão alvo5
  • Tratamento tardio3
  • Falta de acesso ao tratamento específico da doença, com aumento concomitante do risco de mortalidade cirúrgica5-9
Os sinais e sintomas são imprevisíveis e clinicamente heterogêneos entre as MPS possuem, tornando o diagnóstico desafiador. Os pacientes podem apresentar sinais não clássicos e/ou clássicos da MPS, assim como doença de progressão rápida ou lenta.2-4

Suspeite, encaminhe e distúrbios da MPS

Devido ao conhecimento emergente e às opções terapêuticas, a oftalmologia tem a oportunidade de causar um impacto positivo nas vidas de pacientes e famílias que convivem com a MPS por meio da identificação precoce, o que pode possibilitar o tratamento específico da doença e o acesso às terapias disponíveis. Esteja ciente dos sinais e sintomas para acelerar a intervenção inicial.10

Características oculares—com frequência levando ao comprometimento visual—foram descritas em todos os tipos de MPS e devem despertar a suspeita de MPS.1

Manifestações oculares comuns incluem o seguinte10:

  • Opacidade corneana
  • Retinopatia
  • Glaucoma
  • Inchaço e atrofia do nervo óptico
  • Hipermetropia alta
  • Vascularização periférica da córnea
  • Pseudo-exoftalmia progressiva
  • Hipertelorismo
  • Ambliopia
  • Estrabismo
Common-ocular-manifestations-of-MPS-and-their-severity-by-type-01

Opacidade corneana com aparência característica de “vidro fosco” deve despertar a suspeita de MPS1

A opacidade corneana é uma característica muito comum da MPS I, VI e VII, e também pode ocorrer em todos os outros tipos de MPS.1 A opacidade corneana na MPS tem uma aparência característica de “vidro fosco”, que também é observada em distrofias hereditárias da córnea, como distrofia hereditária congênita da córnea e síndrome de Harboyan.11 Em pacientes com MPS, a opacidade corneana é progressiva e com frequência está presente desde a infância. Inicialmente, pode ser assintomática (detectada na triagem) ou ocorrer como fotofobia com perda lenta, mas progressiva, da acuidade visual. Em um estágio avançado, pode levar à perda da visão.1

Embora os pacientes com MPS geralmente apresentem uma ampla variação ou grupo de sintomas, sintomas isolados podem ser suficientes para o encaminhamento a um geneticista ou centro metabólico.12

Analise profundamente os sinais e sintomas que devem aumentar sua suspeita de MPS

A apresentação e a progressão da doença são imprevisíveis, multissistêmicas e variáveis entre as MPS possuem, tornando o diagnóstico desafiador.5

O diagnóstico tardio é comum, e isso pode ter consequências devastadoras para seus pacientes. A identificação precoce dos sinais e sintomas entre os sistemas pode ser crítica para um diagnóstico precoce e preciso.2,5,7 Familiarize-se com os diferentes sinais e sintomas da MPS que podem surgir na sua clínica.

De que outra forma você pode ver a MPS?

Padrões de sinais e sintomas devem aumentar sua suspeita clínica de MPS

Independentemente do contexto clínico, há sinais evidentes e geralmente observáveis que devem despertar sua suspeita. Mediante outros exames, a sintomatologia adicional pode ser descoberta por meio de avaliações clínicas direcionadas específicas da especialidade, achados laboratoriais e histórico do paciente. Essa divisão é representada abaixo.

Sinais e sintomas da MPS2-5,10,13-25

Musculoesquelético

Características gerais

  • Marcha anormal
  • Displasia óssea
  • Contratura das mãos em forma de garra
  • Características faciais grosseiras
  • Dor articular
  • Macrocefalia
  • Pectus carinatum
  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Baixa estatura/retardo do crescimentoa

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Marcha anormal
  • Deformidades ósseas
  • Disostose multiplex
  • Geno valgo
  • Envolvimento articular (contraturas, frouxidão articular) sem inflamação
  • Subluxação da coluna
Reumatológico

Características gerais

  • Mobilidade articular reduzida
  • Rigidez e dor no quadril
  • Dor articular
  • Rigidez ou frouxidão articular

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Síndrome do túnel do carpo
  • Envolvimento articular sem edema articular nem lesões ósseas erosivas
Otorrinolaringologia

Características gerais

  • Perda auditiva condutiva e/ou neurossensorial
  • Aumento da língua
  • Otite média recorrente

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Epiglote anormal
  • Ponte nasal deprimida
  • Hipertrofia da adenoide
  • Hipertrofia das tonsilas
  • Muco no ouvido médio
  • Estreitamento da via aérea supraglótica e intraglótica
  • Má-formação ossicular
  • Rinorreia recorrente e excessiva
  • Otite média recorrente
  • Espessamento/compressão traqueal
  • Obstrução tubular
  • Espessamento da membrana timpânica
Oftalmológico

Características gerais

  • Catarata
  • Opacidade corneana difusa
  • Glaucoma

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Ambliopia
  • Opacidade corneana com aparência característica de “vidro fosco”
  • Hipermetropia alta
  • Hipertelorismo
  • Anormalidades do nervo óptico (inchaço e atrofia)
  • Vascularização periférica da córnea
  • Pseudo-exoftalmia progressiva
  • Redução na acuidade visual
  • Retinopatia
  • Estrabismo
Neurológico

Características gerais

  • Anormalidades comportamentais (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Atraso no desenvolvimento (normalmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Comprometimento auditivo
  • Convulsões (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Cistos aracnoides (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Atrofia cerebral (normalmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Síndrome do túnel do carpo
  • Compressão/mielopatia/subluxação da medula espinhal
  • Aumento dos espaços perivasculares
  • Hidrocefalia
  • Displasia odontoide
  • Paquimeningite cervical
  • Papiledema/atrofia óptica
  • Surdez neurossensorial
  • Anormalidades da intensidade de sinal
  • Estenose do canal espinhal
  • Ventriculomegalia
Cardiovascular

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Hipertensão pulmonar
  • Válvulas mitrais ou aórticas espessadas, regurgitantes ou estenóticas na presença de hipertrofia do ventrículo esquerdo
  • Regurgitação tricúspide
Pulmonar

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Apneia do sono

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Vias aéreas superiores e inferiores obstruídas (estreitamento dos brônquios, estreitamento da via aérea supraglótica e intraglótica)
  • Redução progressiva no volume pulmonar
  • Infecções respiratórias
  • Distúrbios do sono (síndrome da apneia/hipopneia obstrutiva do sono e síndrome de resistência da via aérea superior)
Gastrointestinal

Características gerais

  • Dor abdominal
  • Constipação
  • Hepatoesplenomegalia
  • Hérnias
  • Fezes moles

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Hepatoesplenomegalia
Odontológico

Características gerais

  • Superfície bucal anormal
  • Dentinogênese imperfeita
  • Hipodontia
  • Cúspide aguda
  • Incisivos em forma lanceolada
  • Esmalte desgastado

Características reveladas por avaliação específica da especialidade

  • Superfície bucal anormal
  • Esmalte desgastado

aEnvolvimento esquelético e baixa estatura podem ser menos evidentes em alguns pacientes.

A oftalmologia pode exercer uma função importante na identificação de indivíduos com MPS e deve encaminhar os pacientes apropriados a um geneticista ou centro metabólico para diagnóstico definitivo e, quando disponível, início de tratamento.12

Estudo do caso: manifestações oculares levam ao encaminhamento e diagnóstico subsequente daMPS10

Manifestações oculares em uma criança levam ao diagnóstico subsequente da MPS I-H

Descrição:

  • Criança encaminhada para avaliação ocular devido a aumento anormal na circunferência da cabeça aos 12 meses de idade
  • Opacidades corneanas de origem desconhecida detectadas, juntamente com face dismórfica, telecanto e sobrancelhas atípicas
  • Diagnosticado com MPS I-H aos 18 meses de idade
Pacientes com MPS de progressão lenta podem facilmente continuar sem o diagnóstico.

Histórico do caso

Idade de 12 meses:

  • Encaminhamento para avaliação ocular para descartar papiledema devido a aumento anormal da circunferência da cabeça
  • Opacidades corneanas de origem desconhecida detectadas, juntamente com face dismórfica, telecanto e sobrancelhas atípicas
  • Após cirurgia de shunt ventriculoperitoneal, o estrabismo preexistente do sujeito desapareceu, mas a hipersensibilidade à luz permaneceu

Idade de 18 meses:

  • Diagnosticado com MPS I
  • Submetido a transplante de células-tronco
  • A acuidade visual de resolução de grades foi de 3,6 ciclos/grau nos dois olhos, mas os reflexos do fundo ocular foram relatados como embaçados

Idade de 3 anos:

  • Acuidade visual nos dois olhos, 0,5; estereopsia negativa; hipermetropia (+5 no olho direito e esquerdo) detectada
  • Óculos de filtro de refração receitados e bem aceitos

Idade de 4,5 anos:

  • Microesotropia e ambliopia detectadas do lado direito
  • Terapia intensiva de oclusão iniciada
  • Olho direito permanecia amblíope
  • As córneas permaneciam com leve opacidade

Idade de 6,7 anos:

  • O espessamento corneano não mostrou desvio significativo do normal

Resumo

O diagnóstico tardio da MPS leva à progressão da doença e constitui uma ameaça aos pacientes. No entanto, a avaliação clínica de crianças com MPS representa desafios para a oftalmologia:

  • A retinoscopia pode ser difícil de ser realizada devido aos reflexos embaçados do fundo.
  • O exame pode ser dificultado por fotofobia grave e falta de cooperação, atraso cognitivo ou distúrbios de hiperatividade.

Nesse caso, o diagnóstico precoce da MPS I-H possibilita a intervenção e o tratamento precoces, o que está associado a melhores resultados clínicos.

O conhecimento mais profundo das manifestações oculares e não oculares da MPS pode ajudar no diagnóstico precoce de crianças com MPS que apresentam problemas oculares, mas ainda não foram diagnosticadas com a doença.1,10

Qualquer número de manifestações oculares, principalmente se junto de outros sinais clássicos e não clássicos, deve induzir o encaminhamento a um geneticista ou centro metabólico.12

Diagnostico precoce leva a intervenções precoce.
Evitando o atraso.

É uma nova era de tratamento. Mantenha-se informado.

References:  1. Ashworth JL, Kruse FE, Bachmann B, et al. Ocular manifestations in the mucopolysaccharidoses – a review. Clin Experiment Ophthalmol. 2010;38(suppl 1):12-22. doi:10.1111/j.1442-9071.2010.02364.x.  2. Hendriksz C. Improved diagnostic procedures in attenuated mucopolysaccharidosis. Br J Hosp Med. 2011;72(2):91-95.  3. Hendriksz CJ, Berger KI, Giugliani R, et al. International guidelines for the management and treatment of Morquio A syndrome. Am J Med Genet Part A. 2014;9999A:1-15. doi:10.1002/ajmg.a.36833.  4. Lachman RS, Burton BK, Clarke LA, et al. Mucopolysaccharidosis IVA (Morquio A syndrome) and VI (Maroteaux-Lamy syndrome): under-recognized and challenging to diagnose. Skeletal Radiol. 2014;43(3):359-369. doi:10.1007/s00256-013-1797-y.  5. Lehman TJA, Miller N, Norquist B, Underhill L, Keutzer J. Diagnosis of the mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v41-v48.  6. Clarke LA. Pathogenesis of skeletal and connective tissue involvement in the mucopolysaccharidoses: glycosaminoglycan storage is merely the instigator. Rheumatology (Oxford). 2011;50(suppl 5):v13-18. doi:10.1093/rheumatology/ker395.  7. Morishita K, Petty RE. Musculoskeletal manifestations of mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v19-v25. doi:10.1093/rheumatology/ker397.  8. Muenzer J, Beck M, Eng CM, et al. Long-term, open-labeled extension study of idursulfase in the treatment of Hunter syndrome. Genet Med. 2011;13(2):95-101. doi:10.1097/GIM.0b013e3181fea459.  9. Spinello CM, Novello LM, Pitino S, et al. Anesthetic management in mucopolysaccharidoses. ISRN Anesthesiol. 2013;2013:1-10. doi:10.1155/2013/791983.  10. Fahnehjelm KT, Ashworth JL, Pitz S, et al. Clinical guidelines for diagnosing and managing ocular manifestations in children with mucopolysaccharidosis. Acta Ophthalmol. 2012;90(7):595-602. doi:10.1111/j.1755-3768.2011.02280.x.  11. Desir J, Abramowicz M. Congenital hereditary endothelial dystrophy with progressive sensorineural deafness (Harboyan syndrome). Orphanet J Rare Dis. 2008;3:28. doi:10.1186/1750-1172-3-28.  12. Wood TC, Harvey K, Beck M, et al. Diagnosing mucopolysaccharidosis IVA. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):293-307. doi:10.1007/s10545-013-9587-1.  13. Muenzer J. The mucopolysaccharidoses: a heterogeneous group of disorders with variable pediatric presentations. J Pediatr. 2004;144(suppl 5):S27-S34.  14. Thümler A, Miebach E, Lampe C, et al. Clinical characteristics of adults with slowly progressing mucopolysaccharidosis VI: a case series. J Inherit Metab Dis. 2012;35(6):1071-1079. doi:10.1007/s10545-012-9474-1.  15. Montaño AM, Tomatsu S, Gottesman GS, Smith M, Orii T. International Morquio A Registry: clinical manifestation and natural course of Morquio A disease. J Inherit Metab Dis. 2007;30(2):165-174. doi:10.1007/s10545-007-0529-7.  16. Kinirons MJ, Nelson J. Dental findings in mucopolysaccharidosis type IV A (Morquio’s disease type A). Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1990;70(2):176-179.  17. Lachman R, Martin KW, Castro S, Basto MA, Adams A, Teles EL. Radiologic and neuroradiologic findings in the mucopolysaccharidoses. J Pediatr Rehabil Med. 2010;3(2):109-118. doi:10.3233/PRM-2010-0115.  18. Cimaz R, Coppa GV, Koné-Paut I, et al. Joint contractures in the absence of inflammation may indicate mucopolysaccharidosis [hypothesis]. Pediatr Rheumatol Online J. 2009;7:18. doi:10.1186/1546-0096-7-18.  19. Zafeiriou DI, Batzios SP. Brain and spinal MR imaging findings in mucopolysaccharidoses: a review. AJNR Am J Neuroradiol. 2013;34(1):5-13. doi:10.3174/ajnr.A2832.  20. Braunlin EA, Harmatz PR, Scarpa M, et al. Cardiac disease in patients with mucopolysaccharidosis: presentation, diagnosis and management. J Inherit Metab Dis. 2011;34(6):1183-1197. doi:10.1007/s10545-011-9359-8.  21. Braunlin E, Orchard PJ, Whitley CB, Schroeder L, Reed RC, Manivel JC. Unexpected coronary artery findings in mucopolysaccharidosis. Report of four cases and literature review. Cardiovasc Pathol. 2014;23(3):145-151. doi:10.1016/j.carpath.2014.01.001.  22. Mesolella M, Cimmino M, Cantone E, et al. Management of otolaryngological manifestations in mucopolysaccharidoses: our experience. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2013;33(4):267-272.  23. Berger KI, Fagondes SC, Giugliani R, et al. Respiratory and sleep disorders in mucopolysaccharidosis. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):201-210. doi:10.1007/s10545-012-9555-1.  24. Martins AM, Dualibi AP, Norato D, et al. Guidelines for the management of mucopolysaccharidosis type I. J Pediatr. 2009;155(4)(suppl 2):S32-S46. doi:10.1016/j.jpeds.2009.07.005.  25. Clarke LA, Winchester B, Giugliani R, Tylki-Szymańska A, Amartino H. Biomarkers for the mucopolysaccharidoses: discovery and clinical utility. Mol Genet Metab. 2012;106(4):396-402. doi:10.1016/j.ymgme.2012.05.003.