X
X
X
X
Voltar ao topo

“Esperamos que quando o pediatra vir os achados físicos, e se o radiologista solicitar algumas radiografias, [que] eles possam dizer que essas vértebras não têm aparência normal [e] essa criança deve ser encaminhada ao geneticista.” – Dr Harmatz

Há uma doença genética rara escondida em sua clínica?

Com frequência mal interpretada como apenas um distúrbio infantil ou doença musculoesquelética, a MPS pode não ser tão incomum quanto você pensa

Os distúrbios da Mucopolissacaridose (MPS) são um grupo de deficiências enzimáticas hereditárias com apresentação heterogênea e progressão variável da doença as quais suspeita-se que afetem 1 a cada 22.500 nascimentos vivos no mundo todo.1,2

Manifestações clínicas semelhantes e taxas de progressão são observadas entre as MPS possuem. As imagens abaixo ilustram os padrões de progressão da doença da MPS, conforme observado em um paciente com MPS VI.

Todos os pacientes, independentemente da apresentação inicial, apresentam risco de dano ao órgão alvo.

Progressão da doença variável em pacientes com MPS VI

  • Rapidly-progressing-MPS-VI-patient-as-a-newborn
    Recém-nascido
  • Rapidly-progressing-MPS-VI-patient-at-2-years-old
    2 Anos
  • Rapidly-progressing-MPS-VI-patient-at-6-years-old
    6 Anos
  • Rapidly-Progressing-MPS-VI-patient-at-10-years-old
    10 Anos
  • Rapidly-Progressing-MPS-VI-patient-at-16-years-old
    16 Anos
  • Rapidly-Progressing-MPS-VI-patient-at-26-years-old
    26 Anos
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-7-months-old
    7 Meses
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-3-years-old
    3 Anos
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-7-years-old
    7 Anos
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-10-years-old
    10 Anos
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-11-years-old
    11 Anos
  • Slowly-progressing-MPS-VI-patient-at-13-years-old
    13 Anos

O atraso no diagnóstico é comum e pode ser devastador para os pacientes3

A raridade da doença, variabilidade na progressão e apresentação da doença percebidas, e a miríade de sintomas não específicos associados com a MPS tornam o diagnóstico desafiador. O tempo até o diagnóstico desde a manifestação do primeiro sintoma pode variar de 6 meses a décadas.3

time-to-diagnosis-in-a-series-of-patients-with-slowly-progressing-mps-vi-6

O diagnóstico precoce é essencial para otimizar os resultados do paciente3,5

O diagnóstico precoce pode possibilitar melhores resultados do paciente por meio do acesso ao tratamento específico da doença e à terapia de reposição enzimática (TRE).3,5-8 Para muitas MPS, existe uma TRE já disponível ou em desenvolvimento. A melhor forma de diagnosticar a MPS e, por sua vez, iniciar o tratamento, é encaminhar qualquer paciente suspeito a um geneticista ou centro metabólico familiarizado com o teste da MPS.5,9

Busque sinais e sintomas precoces da MPS, principalmente o seguinte3,10-12:

  • Clássico
    • Hérnias
    • Anormalidades articulares e esqueléticas
    • Baixa estatura
    • Qualquer alteração gradual e progressiva na aparência física
  • Não clássica
    • Expressões sutis de anormalidades esqueléticas, incluindo costelas ou clavículas espessadas, geno valgo sutil e anormalidades articulares ou dor
    • Capacidade reduzida para exercícios e/ou envolvimento cardiovascular inexplicado, principalmente sopro cardíaco em pacientes pediátricos
    • Comprometimento auditivo ou visual inexplicado (opacidade corneana)
Um grupo de achados sugestivos é especialmente significativo, mas a ausência de um achado ou característica específica não descarta, necessariamente, o diagnóstico da MPS.10

Quando você deve suspeitar de MPS?

Quando observar qualquer número ou padrão de sinais que inclua vários sistemas corporais e seja indicativo de MPS, não demore; faça o encaminhamento a um geneticista ou especialista metabólico

Sintomatologia da MPS

  • Inclui vários sistemas corporais9
  • Pode estar evidente ou ser descoberta por meio de avaliações específicas da especialidade

Sintomas evidentes são aqueles que podem ser observados durante qualquer visita de rotina ao consultório ou exame físico. Analise as principais características visuais da MPS abaixo.

Características gerais e sinais evidentes que devem levantar a suspeita de MPS3,4,9,11,12,14-26
Musculoesquelético
  • Marcha anormal
  • Displasia óssea
  • Contratura das mãos em forma de garra
  • Características faciais grosseiras
  • Dor articular
  • Macrocefalia
  • Pectus carinatum
  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Baixa estatura/retardo do crescimentoa
Reumatológico
  • Mobilidade articular reduzida
  • Rigidez e dor no quadril
  • Dor articular
  • Rigidez ou frouxidão articular
Otorrinolaringologia
  • Perda auditiva condutiva e/ou neurossensorial
  • Aumento da língua
  • Otite Média recorrente
Oftalmológico
  • Catarata
  • Opacidade corneana difusa
  • Glaucoma
Neurológico
  • Anormalidades comportamentais (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Síndrome do túnel do carpo
  • Atraso no desenvolvimento (normalmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Comprometimento auditivo
  • Convulsões (normalmente não presentes na MPS IVA e VI)
Cardiovascular
  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
Pulmonar
  • Resistência reduzida/intolerância a exercícios
  • Apneia do sono
Gastrointestinal
  • Dor abdominal
  • Constipação
  • Hepatoesplenomegalia
  • Hérnias
  • Fezes moles
Odontológico
  • Superfície bucal anormal
  • Dentinogênese imperfeita
  • Hipodontia
  • Cúspide aguda
  • Incisivos em forma lanceolar
  • Esmalte fino

aDesenvolvimento esquelético e baixa estatura podem ser menos evidentes em alguns pacientes.

A prevalência de sintomas varia entre as MPS possuem. O exemplo abaixo mostra a prevalência de sintomas em pacientes com Morquio A (MPS IVA).

Prevalence-of-symptoms-in-patients-with-Morquio-A
Velocidade reduzida para andar, ritmo reduzido e comprimento da passada menor que a média devem induzir à suspeita de MPS.28

Baixa estatura—embora comum na MPS—pode não ocorrer em todos os pacientes com MPS

  • Conforme evidenciado por um estudo de histórico natural de pacientes com Morquio A, a maioria dos pacientes apresenta baixa estatura, com tronco e pescoço curtos correspondentes.16
  • As alturas podem variar devido à variabilidade da progressão da doença; no entanto, os pacientes com progressão lenta ou formas não clássicas da MPS podem não apresentar baixa estatura.13,14

O gráfico abaixo, representativo da trajetória do crescimento que é típico de indivíduos com MPS, foi feito a partir de uma coorte de 326 pacientes com Morquio A que participaram do registro Internacional de Morquio A.13

Trajetória-de-crescimento-em-pacientes-com-Morquio-A-01_Amc
Pacientes jovens que caem para fora da curva de crescimento devem levantar a suspeita de MPS.

Qualquer número ou padrão de sinais deve aumentar sua suspeita clínica

As MPS possuem podem se apresentar de inúmeras formas, com frequência com um grupo de sintomas multissistêmicos aparentemente não relacionados. No entanto, sintomas isolados também merecem encaminhamento a um geneticista ou centro metabólico.3,9

O histórico e a necessidade cirúrgica de um paciente também devem alertá-lo sobre a possibilidade de MPS

A necessidade cirúrgica é alta entre pacientes com MPS. Representativos dessa necessidade, >70% dos pacientes com ≥5 anos de participação no estudo MorCAP, um estudo de história natural, foram submetidos a pelo menos 1 procedimento cirúrgico.27 A ciência do histórico médico de um paciente—além dos sinais e sintomas—pode acelerar o diagnóstico inicial e preciso e, portanto, melhorar as vidas dos pacientes.

  Procedimentos-cirúrgicos-comuns-para-MPS-conforme-observado-na-Morquio-A_AMc Procedimentos cirúrgicos comuns para a MPS, conforme observado na população de Morquio A27,a A ciência do histórico médico de um paciente—além dos sinais e sintomas—pode acelerar o diagnóstico inicial e preciso e, portanto, melhorar as vidas dos pacientes.

Analise mais de perto os sistemas afetados pela MPS

A apresentação e a progressão da doença são imprevisíveis, multissistêmicas e variáveis entre as MPS possuem, tornando o diagnóstico desafiador.3 O diagnóstico tardio é comum, e isso pode ter consequências devastadoras para seus pacientes. A identificação precoce dos sinais e sintomas entre os sistemas pode ser crítica para um diagnóstico precoce e preciso.3, 7, 8 Familiarize-se com os diferentes sinais e sintomas da MPS que podem surgir na sua clínica.

Distúrbios que podem se parecer com a MPS

As MPS possuem podem imitar outras condições

Como o tratamento da MPS pode ter um impacto de mudança na vida do paciente, o diagnóstico precoce e preciso é algo crítico.8,29 Se houver qualquer suspeita de MPS, considere o encaminhamento a um geneticista ou centro metabólico local.3 A MPS se apresenta como um agrupamento de sinais e sintomas diferentes, levando a uma longa lista de possíveis diagnósticos incorretos.8 Os diagnósticos incorretos mais comuns incluem displasia espondiloepifisária congênita (DEE), displasia epifisária múltipla (DEM) e síndrome de Legg-Calvé-Perthes.14

Uma tabela mais ampla de diagnósticos incorretos comuns é apresentada abaixo.

Diagnóstico-diferencial-para-descartar-a-MPS-35_AMc

Uma revisão dos prontuários médicos dos sinais e sintomas apresentados por 18 pacientes com Morquio A identificou vários diagnósticos incorretos e outros diagnósticos clínicos, mostrados na tabela abaixo.

Doenças-diagnosticadas-incorretamente-antes-do-diagnóstico-da-Morquio-A-vert-01_AMc

De forma semelhante, conforme descrito na tabela abaixo, uma análise de 18 pacientes com MPS VI realizada por médicos responsáveis pelo tratamento identificou diagnósticos incorretos comuns associados a esse subtipo.

Reported-misdiagnoses-in-a-cohort-of-18-patients-with-MPS-VI_AMc
O avanço de tratamentos específicos para a MPS destaca a importância da intervenção precoce e do encaminhamento de pacientes com suspeita de SED, MED ou síndrome de Legg-Calvé-Perthes a um geneticista ou centro metabólico.3,14,29

Quando em dúvida sobre diagnósticos diferenciais, encaminhe os pacientes a um geneticista ou centro metabólico local.3

Diagnostico precoce leva a intervenções precoce.
Evitando o atraso.

É uma nova era de tratamento. Mantenha-se informado.

References:  1. Kakkis ED, Neufeld EF. The mucopolysaccharidoses. In: Berg BO, ed. Principles of child neurology. New York, NY: McGraw-Hill; 1996:1141-1166.  2. Coman DJ, Hayes IM, Collins V, Sahhar M, Wraith JE, Delatycki MB. Enzyme replacement therapy and extended newborn screening for mucopolysaccharidoses: opinions of treating physicians. JIMD Rep. 2011;1:9-15. doi:10.1007/8904_2011_9.  3. Lehman TJA, Miller N, Norquist B, Underhill L, Keutzer J. Diagnosis of the mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v41-v48.  4. Jurecka A, Zakharova E, Malinova V, Voskoboeva E, Tylki-Szymańska A. Attenuated osteoarticular phenotype of type VI mucopolysaccharidosis: a report of four patients and a review of the literature. Clin Rheumatol. 2014;33(5):725-731. doi:10.1007/s10067-013-2423-z.  5. Muenzer J, Beck M, Eng CM, et al. Long-term, open-labeled extension study of idursulfase in the treatment of Hunter syndrome. Genet Med. 2011;13(2):95-101. doi:10.1097/GIM.0b013e3181fea459.  6. Clarke LA. Pathogenesis of skeletal and connective tissue involvement in the mucopolysaccharidoses: glycosaminoglycan storage is merely the instigator. Rheumatology (Oxford). 2011;50(suppl 5):v13-18. doi:10.1093/rheumatology/ker395.  7. Morishita K, Petty RE. Musculoskeletal manifestations of mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v19-v25. doi:10.1093/rheumatology/ker397.  8. Hendriksz C. Improved diagnostic procedures in attenuated mucopolysaccharidosis. Br J Hosp Med. 2011;72(2):91-95.  9. Wood TC, Harvey K, Beck M, et al. Diagnosing mucopolysaccharidosis IVA. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):293-307. doi:10.1007/s10545-013-9587-1.  10. Muenzer J. The mucopolysaccharidoses: a heterogeneous group of disorders with variable pediatric presentations. J Pediatr. 2004;144(suppl 5):S27-S34.  11. Thümler A, Miebach E, Lampe C, et al. Clinical characteristics of adults with slowly progressing mucopolysaccharidosis VI: a case series. J Inherit Metab Dis. 2012;35(6):1071-1079. doi:10.1007/s10545-012-9474-1.  12. Valayannopoulos V, Nicely H, Harmatz P, Turbeville S. Mucopolysaccharidosis VI. Orphanet J Rare Dis. 2010;5:5. doi:10.1186/1750-1172-5-5.  13. Montaño AM, Tomatsu S, Gottesman GS, Smith M, Orii T. International Morquio A Registry: clinical manifestation and natural course of Morquio A disease. J Inherit Metab Dis. 2007;30(2):165-174. doi:10.1007/s10545-007-0529-7.  14. Lachman RS, Burton BK, Clarke LA, et al. Mucopolysaccharidosis IVA (Morquio A syndrome) and VI (Maroteaux-Lamy syndrome): under-recognized and challenging to diagnose. Skeletal Radiol. 2014;43(3):359-369. doi:10.1007/s00256-013-1797-y.  15. Kinirons MJ, Nelson J. Dental findings in mucopolysaccharidosis type IV A (Morquio’s disease type A). Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1990;70(2):176-179.  16. Hendriksz CJ, Berger KI, Giugliani R, et al. International guidelines for the management and treatment of Morquio A syndrome. Am J Med Genet Part A. 2014;9999A:1-15. doi:10.1002/ajmg.a.36833.  17. Lachman R, Martin KW, Castro S, Basto MA, Adams A, Teles EL. Radiologic and neuroradiologic findings in the mucopolysaccharidoses. J Pediatr Rehabil Med. 2010;3(2):109-118. doi:10.3233/PRM-2010-0115.  18. Cimaz R, Coppa GV, Koné-Paut I, et al. Joint contractures in the absence of inflammation may indicate mucopolysaccharidosis [hypothesis]. Pediatr Rheumatol Online J. 2009;7:18. doi:10.1186/1546-0096-7-18.  19. Fahnehjelm KT, Ashworth JL, Pitz S, et al. Clinical guidelines for diagnosing and managing ocular manifestations in children with mucopolysaccharidosis. Acta Ophthalmol. 2012;90(7):595-602. doi:10.1111/j.1755-3768.2011.02280.x.  20. Zafeiriou DI, Batzios SP. Brain and spinal MR imaging findings in mucopolysaccharidoses: a review. AJNR Am J Neuroradiol. 2013;34(1):5-13. doi:10.3174/ajnr.A2832.  21. Braunlin EA, Harmatz PR, Scarpa M, et al. Cardiac disease in patients with mucopolysaccharidosis: presentation, diagnosis and management. J Inherit Metab Dis. 2011;34(6):1183-1197. doi:10.1007/s10545-011-9359-8.  22. Braunlin E, Orchard PJ, Whitley CB, Schroeder L, Reed RC, Manivel JC. Unexpected coronary artery findings in mucopolysaccharidosis. Report of four cases and literature review. Cardiovasc Pathol. 2014;23(3):145-151. doi:10.1016/j.carpath.2014.01.001.  23. Mesolella M, Cimmino M, Cantone E, et al. Management of otolaryngological manifestations in mucopolysaccharidoses: our experience. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2013;33(4):267-272.  24. Berger KI, Fagondes SC, Giugliani R, et al. Respiratory and sleep disorders in mucopolysaccharidosis. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):201-210. doi:10.1007/s10545-012-9555-1.  25. Martins AM, Dualibi AP, Norato D, et al. Guidelines for the management of mucopolysaccharidosis type I. J Pediatr. 2009;155(4)(suppl 2):S32-S46. doi:10.1016/j.jpeds.2009.07.005.  26. Clarke LA, Winchester B, Giugliani R, Tylki-Szymańska A, Amartino H. Biomarkers for the mucopolysaccharidoses: discovery and clinical utility. Mol Genet Metab. 2012;106(4):396-402. doi:10.1016/j.ymgme.2012.05.003.  27. Harmatz P, Mengel KE, Giugliani R, et al. The Morquio A clinical assessment program: baseline results illustrating progressive, multisystemic clinical impairments in Morquio A subjects. Mol Genet Metab. 2013;109(1):54-61. doi:10.1016/j.ymgme.2013.01.021.  28. Dhawale AA, Church C, Henley J, et al. Gait pattern and lower extremity alignment in children with Morquio syndrome. J Pediatr Orthop B. 2013;22(1):59-62. doi:10.1097/BPB.0b013e32835a0e6d.  29. Muenzer J. Early initiation of enzyme replacement therapy for the mucopolysaccharidoses. Mol Genet Metab. 2014;111(2):63-72. doi:10.1016/j.ymgme.2013.11.015.  30. Bhattacharya K, Balasubramaniam S, Choy YS, et al. Overcoming the barriers to diagnosis of Morquio A syndrome. Orphanet J Rare Dis. 2014;9:192. doi:10.1186/s13023-014-0192-7.  31. Choy YS, Bhattacharya K, Balasubramaniam S, et al. Identifying the need for a multidisciplinary approach for early recognition of mucopolysaccharidosis VI (MPS VI). Mol Genet Metab. 2015;115(1):41-47. doi:10.1016/j.ymgme.2015.03.005.  32. Data on file. Biomarin Pharmaceutical, Inc.  33. Drummond JC, Krane EJ, Tomatsu S, Theroux MC, Lee RR. Paraplegia after epidural-general anesthesia in a Morquio patient with moderate thoracic spinal stenosis. Can J Anesth. 2015;62(1):45-49. doi:10.1007/s12630-014-0247-1.  34. Sharkia R, Mahajnah M, Zalan A, Sourlis C, Bauer P, Schöls L. Sanfilippo type A: new clinical manifestations and neuro-imaging findings in patients from the same family in Israel: a case report. J Med Case Rep. 2014;8:78. doi:10.1186/1752-1947-8-78.