X
X
X
X
Voltar ao topo

“Esperamos que quando o pediatra vir os achados físicos, e se o radiologista solicitar algumas radiografias, [que] eles possam dizer que essas vértebras não têm aparência normal [e] essa criança deve ser encaminhada ao geneticista.” – Dr Harmatz

As manifestações esqueléticas–clássicas e não clássicas– são uma característica da MPS

A ortopedia desempenha um papel essencial na suspeita de MPS, no encaminhamento e no tratamento a longo prazo

As manifestações esqueléticas são características marcantes dos distúrbios da mucopolissacaridose (MPS).1,2 Com a disponibilidade de tratamentos e controle específicos da doença, o reconhecimento precoce pela ortopedia nunca foi tão importante.1

A identificação da MPS também é essencial para melhorar os resultados cirúrgicos; pacientes com MPS apresentam risco elevado de complicações anestésicas e pré-cirúrgicas que são uma causa significativa da mortalidade nessa população.3

Classicamente, a MPS está associada a um conjunto de sinais e sintomas denominado disostose múltipla. Entretanto, o reconhecimento de sintomas esqueléticos precoces e não clássicos antes–ou no lugar–de uma progressão esquelética mais robusta pode permitir o reconhecimento precoce da MPS e deve motivar o encaminhamento a um geneticista ou centro especializado em metabolismo.1

Suspeite, encaminhe e distúrbios da MPS

Em razão do conhecimento emergente e das opções terapêuticas, a ortopedia tem a oportunidade de impactar positivamente as vidas dos pacientes e das famílias que convivem com a MPS através da identificação precoce, o que pode permitir o tratamento específico da doença e o acesso a terapias disponíveis.1,4 Conheça os sinais e sintomas para uma intervenção precoce imediata.

  • A disostose múltipla é um conjunto de manifestações esqueléticas características classicamente associadas à MPS.1
  • Os padrões não clássicos de manifestações esqueléticas semelhantes a displasia espondiloepifisária (SED), displasia epifisária múltipla (MED) e doença de Legg-Calvé-Perthes foram identificados como sintomas da MPS.1
  • No início da manifestação da doença, os sintomas esqueléticos podem aparecer isoladamente ou de maneira menos óbvia.1
Mantenha-se informado sobre as novas pesquisas sobre MPS
Embora os pacientes com MPS geralmente apresentem uma ampla variedade ou um conjunto de sintomas, os sintomas isolados podem ser suficientes para suscitar o encaminhamento a um geneticista ou centro especializado em metabolismo. Mantenha um índice elevado de suspeita para permitir uma intervenção específica da doença mais rápida.5,6
the-manifestations-of-dysostosis-multiplex-01

A maioria dos tipos de MPS é caracterizada por anomalias esqueléticas e doença articular com características marcantes de disostose múltipla.7

  • A MPS III é uma exceção–os pacientes manifestam apenas disostose múltipla leve e sofrem de sintomas principalmente relacionados ao SNC.7
  • Entre os pacientes com MPS, a gravidade da disostose múltipla é variável, e as características podem aparecer precocemente de maneira isolada.7
Dos 151 casos no Registro Internacional de Displasia Esquelética com disostose múltipla confirmada submetidos a avaliação, aproximadamente 75% dos médicos que fizeram o encaminhamento não a reconheceram como uma característica da MPS.1

O reconhecimento precoce dos sintomas esqueléticos pode ajudar a otimizar os resultados dos pacientes

Com a disponibilidade de tratamento e controle específico da doença, o reconhecimento precoce nunca foi tão importante.

Exemplo de cifose toracolombar (esquerda) e giba (direita) no início da vida.8

Fotos por cortesia do Dr. M Grimaldi, Dr. R Parini, Dr. L Santoro e do Dr. O. Gabrielli

MPS progressiva lenta: novas ideias, nova compreensão

Em uma série de casos de apresentação não clássica em pacientes com síndrome de Morquio A (MPS IVA) e MPS VI progressiva lenta, os pacientes apresentaram características mínimas ou ausência de características de disostose múltipla. Em vez disso, foram observadas características indicativas de MED, SED e doença bilateral de Legg-Calvé-Perthes.1

  • A MPS foi distinguida da SED pela ausência de platispondilia ou achatamento superior/inferior dos corpos vertebrais; a presença de escoliose, cifose e/ou vértebra achada superior única não é suficiente para um diagnóstico de SED.1
  • Uma característica marcante nesses pacientes foram as epífises femorais capitais (CFE) displásicas, um achado que pode ser útil na identificação de fenótipos não clássicos da MPS.1

A CFE displásica foi relatada em pacientes com síndrome de Morquio A não clássica e MPS VI progressiva lenta.

Anteroposterior da pelve e dos quadris, 27 anos de idade: CFE levemente displásica com estreitamento do espaço articular; esclerose (artrose degenerativa)1

Conheça os sinais e sintomas que devem elevar sua suspeita de MPS

A apresentação e a progressão da doença são imprevisíveis, multissistêmicas e variáveis entre as MPS possuem, tornando desafiador o diagnóstico.5

O diagnóstico tardio é comum e pode ter consequências devastadoras a seus pacientes. A identificação precoce de sinais e sintomas nos sistemas pode ser essencial para o diagnóstico precoce e preciso.5,9,10 Esteja familiarizado com os diversos sinais e sintomas da MPS que podem se apresentar em sua prática.

O que mais você pode observar sobre a MPS?

Padrões de sinais e sintomas devem elevar sua suspeita clínica de MPS

Independentemente do quadro clínico, existem sinais evidentes e geralmente observáveis que devem levantar sua suspeita de distúrbios da MPS. Após um novo exame, a sintomatologia adicional pode ser descoberta através de avaliações clínicas direcionadas específicas das especialidades, achados laboratoriais e histórico do paciente. Essa divisão está ilustrada abaixo.

Sinais e sintomas da MPS1,5,7,9,11-24

Musculoesqueléticos

Características gerais

  • Marcha anormal
  • Displasia óssea
  • Mãos em garra
  • Características faciais brutas
  • Dor articular
  • Macrocefalia
  • Pectus carinatum
  • Resistência reduzida/intolerância ao exercício
  • Baixa estatura/retardo do crescimentoa

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Marcha anormal
  • Deformidades ósseas
  • Disostose múltipla
  • Joelho valgo
  • Envolvimento articular (contraturas, frouxidão articular) sem inflamação
  • Subluxação espinhal
Reumatológicos

Características gerais

  • Mobilidade articular reduzida
  • Rigidez e dor nos quadris
  • Dor articular
  • Rigidez ou frouxidão articular

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Síndrome do túnel do carpo
  • Envolvimento articular sem edema das articulações nem lesões ósseas erosivas
Otorrinolaringologia

Características gerais

  • Perda auditiva condutiva e/ou sensorioneural
  • Língua aumentada
  • Otite média recorrente

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Epiglote anormal
  • Ponte nasal baixa
  • Adenoides hipertróficas
  • Amígdalas hipertróficas
  • Muco no ouvido médio
  • Estreitamento da via aérea supraglótica e intraglótica
  • Má-formação ossicular
  • Rinorreia recorrente e excessiva
  • Otite média recorrente
  • Espessamento/compressão da traqueia
  • Obstrução tubular
  • Espessamento da membrana timpânica
Oftalmológicos

Características gerais

  • Catarata
  • Opacificação difusa da córnea
  • Glaucoma

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Ambliopia
  • Opacificação da córnea com aspecto de mosaico característico
  • Hipermetropia elevada
  • Hipertelorismo
  • Anormalidades do nervo óptico (inchaço e atrofia)
  • Vascularização periférica da córnea
  • Pseudo-exoftalmia progressiva
  • Redução na acuidade visual
  • Retinopatia
  • Estrabismo
Neurológicos

Características gerais

  • Anormalidades comportamentais (geralmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Retardo no desenvolvimento (geralmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Comprometimento auditivo
  • Convulsões (geralmente não presentes na MPS IVA e VI)

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Cistos aracnoides (geralmente não presentes na MPS IVA e VI)
  • Atrofia cerebral (geralmente não presente na MPS IVA e VI)
  • Síndrome do túnel do carpo
  • Compressão da medula cervical/mielopatia/subluxação
  • Aumento dos espaços perivasculares
  • Hidrocefalia
  • Displasia do odontoide
  • Paquimeningite cervical
  • Papiledema/ atrofia óptica
  • Surdez sensorioneural
  • Anormalidades na intensidade dos sinais
  • Estenose do canal espinhal
  • Ventriculomegalia
Cardiovasculares

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância ao exercício

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Hipertensão pulmonar
  • Valvas mitrais ou aórticas espessas, regurgitantes ou estenóticas na presença de hipertrofia ventricular
  • Regurgitação tricúspide
Pulmonares

Características gerais

  • Resistência reduzida/intolerância ao exercício
  • Apneia do sono

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Obstructed upper and lower airways (bronchial narrowing, narrowing of supraglottic and infraglottic airway)
  • Redução progressiva do volume pulmonar
  • Infecções respiratórias
  • Distúrbios do sono (apneia obstrutiva do sono/síndrome da hipopneia e síndrome da resistência de vias aéreas superiores)
Gastrointestinais

Características gerais

  • Dor abdominal
  • Constipação
  • Hepatoesplenomegalia
  • Hérnias
  • Fezes moles

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Hepatoesplenomegalia
Odontológicos

Características gerais

  • Superfícies bucais anormais
  • Dentinogênese imperfeita
  • Hipodontia
  • Dentes pontiagudos
  • Incisivos em forma lanceolada
  • Esmalte desgastado

Características reveladas por especialidade–avaliação específica

  • Superfícies bucais anormais
  • Esmalte desgastado

aEnvolvimento esquelético e baixa estatura podem ser menos evidentes em alguns pacientes.

Uma vez que as manifestações esqueléticas são, em geral, indicadores iniciais das MPS, a ortopedia pode desempenhar um papel-chave na identificação de indivíduos com MPS. Os pacientes adequados devem ser encaminhados a um geneticista ou centro especializado em metabolismo para diagnóstico definitivo e, quando disponível, iniciação do tratamento.1,4,25

É uma condição esquelética comum ou MPS?

Considere a MPS no diagnóstico diferencial de condições esqueléticas

As MPS possuem podem imitar as condições musculoesqueléticas mais comuns e, portanto, serem confundidos com elas.1,7 Uma vez que o tratamento da MPS pode ter um impacto de mudança na vida, o diagnóstico precoce e preciso é essencial. Se houver alguma suspeita de MPS, considere encaminhar a um geneticista ou um centro local especializado em metabolismo.

Differential-diagnoses-to-rule-out-MPS-01

Considere a MPS quando os pacientes apresentarem características esqueléticas isoladas da MPS no início da vida. Nesses casos, os pacientes geralmente apresentam outras anomalias musculoesqueléticas, como1:

  • Retardo no crescimento
  • Marcha anormal
  • Dor nos quadris

Uma pesquisa completa do esqueleto é obrigada se houver suspeita de MPS ou outra displasia esquelética.7 A imagem de regiões isoladas apenas pode resultar em achados omitidos que podem comprometer o diagnóstico.

Caso pediátrico de MPS VI progressiva lenta observada na prática ortopédica1

Resumo

A consideração precoce de MPS mediante a observação do fenótipo semelhante à MED com manifestações sistêmicas adicionais, como opacificação da córnea, poderiam ter melhorado o tempo até o diagnóstico e subsequente intervenção.

O índice elevado de suspeita de MPS em pacientes com características esqueléticas da MPS, como disostose múltipla clássica ou características não clássicas, pode ajudar a reduzir o tempo até o diagnóstico.
7 anos de idade:
  • Encaminhado à ortopedia devido à baixa estatura
  • Radiografias interpretadas, demonstrando displasia acetabular bilateral com coxa magna, deformidades das cabeças femorais e anomalias epifisárias e metafisárias
  • O exame físico revelou altura de 117,5 cm
  • Limitação na amplitude de movimentos do ombro observada
  • Opacificação da córnea observada
  • Diagnóstico inicial: DEM
  • Medida: encaminhado para uma clínica especializada em displasia esquelética e para a oftalmologia
10 anos de idade:
  • Murmúrio cardíaco detectado
  • As avaliações cardiológicas revelaram espessamento da valva mitral com prolapso e regurgitação, insuficiência aórtica leve
  • A consulta genética observou joelho valgo leve, marcha de pato, lordose da coluna, ponte nasal reta ampla
  • Houve suspeita de MPS, pesquisa completa do esqueleto e teste do painel enzimático realizados
  • Diagnóstico: MPS VI

Diagnostico precoce leva a intervenções precoce.
Evitando o atraso.

É uma nova era de tratamento. Mantenha-se informado.

References:  1. Lachman RS, Burton BK, Clarke LA, et al. Mucopolysaccharidosis IVA (Morquio A syndrome) and VI (Maroteaux-Lamy syndrome): under-recognized and challenging to diagnose. Skeletal Radiol. 2014;43(3):359-369. doi:10.1007/s00256-013-1797-y.  2. White KK. Orthopaedic aspects of mucopolysaccharidoses. Rheumatology (Oxford). 2011;50(suppl 5):v26-v33. doi:10.1093/rheumatology/ker393.  3. Walker R, Belani KG, Braunlin EA, et al. Anaesthesia and airway management in mucopolysaccharidosis. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):211-219. doi:10.1007/s10545-012-9563-1.  4. White KK, Sousa T. Mucopolysaccharide disorders in orthopaedic surgery. J Am Acad Orthop Surg. 2013;21:12-22. doi:10.5435/JAAOS-21-01-12.  5. Lehman TJA, Miller N, Norquist B, Underhill L, Keutzer J. Diagnosis of the mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v41-v48.  6. Wood TC, Harvey K, Beck M, et al. Diagnosing mucopolysaccharidosis IVA. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):293-307. doi:10.1007/s10545-013-9587-1.  7. Lachman R, Martin KW, Castro S, Basto MA, Adams A, Teles EL. Radiologic and neuroradiologic findings in the mucopolysaccharidoses. J Pediatr Rehabil Med. 2010;3(2):109-118. doi:10.3233/PRM-2010-0115.  8. Data on file. Biomarin Pharmaceutical, Inc.  9. Hendriksz C. Improved diagnostic procedures in attenuated mucopolysaccharidosis. Br J Hosp Med. 2011;72(2):91-95.  10. Morishita K, Petty RE. Musculoskeletal manifestations of mucopolysaccharidoses. Rheumatology. 2011;50(suppl 5):v19-v25. doi:10.1093/rheumatology/ker397.  11. Muenzer J. The mucopolysaccharidoses: a heterogeneous group of disorders with variable pediatric presentations. J Pediatr. 2004;144(suppl 5):S27-S34.  12. Thümler A, Miebach E, Lampe C, et al. Clinical characteristics of adults with slowly progressing mucopolysaccharidosis VI: a case series. J Inherit Metab Dis. 2012;35(6):1071-1079. doi:10.1007/s10545-012-9474-1.  13. Montaño AM, Tomatsu S, Gottesman GS, Smith M, Orii T. International Morquio A Registry: clinical manifestation and natural course of Morquio A disease. J Inherit Metab Dis. 2007;30(2):165-174. doi:10.1007/s10545-007-0529-7.  14. Kinirons MJ, Nelson J. Dental findings in mucopolysaccharidosis type IV A (Morquio’s disease type A). Oral Surg Oral Med Oral Pathol. 1990;70(2):176-179.  15. Hendriksz CJ, Berger KI, Giugliani R, et al. International guidelines for the management and treatment of Morquio A syndrome. Am J Med Genet Part A. 2014;9999A:1-15. doi:10.1002/ajmg.a.36833.  16. Cimaz R, Coppa GV, Koné-Paut I, et al. Joint contractures in the absence of inflammation may indicate mucopolysaccharidosis [hypothesis]. Pediatr Rheumatol Online J. 2009;7:18. doi:10.1186/1546-0096-7-18.  17. Fahnehjelm KT, Ashworth JL, Pitz S, et al. Clinical guidelines for diagnosing and managing ocular manifestations in children with mucopolysaccharidosis. Acta Ophthalmol. 2012;90(7):595-602. doi:10.1111/j.1755-3768.2011.02280.x.  18. Zafeiriou DI, Batzios SP. Brain and spinal MR imaging findings in mucopolysaccharidoses: a review. AJNR Am J Neuroradiol. 2013;34(1):5-13. doi:10.3174/ajnr.A2832.  19. Braunlin EA, Harmatz PR, Scarpa M, et al. Cardiac disease in patients with mucopolysaccharidosis: presentation, diagnosis and management. J Inherit Metab Dis. 2011;34(6):1183-1197. doi:10.1007/s10545-011-9359-8.  20. Braunlin E, Orchard PJ, Whitley CB, Schroeder L, Reed RC, Manivel JC. Unexpected coronary artery findings in mucopolysaccharidosis. Report of four cases and literature review. Cardiovasc Pathol. 2014;23(3):145-151. doi:10.1016/j.carpath.2014.01.001.  21. Mesolella M, Cimmino M, Cantone E, et al. Management of otolaryngological manifestations in mucopolysaccharidoses: our experience. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2013;33(4):267-272.  22. Berger KI, Fagondes SC, Giugliani R, et al. Respiratory and sleep disorders in mucopolysaccharidosis. J Inherit Metab Dis. 2013;36(2):201-210. doi:10.1007/s10545-012-9555-1.  23. Martins AM, Dualibi AP, Norato D, et al. Guidelines for the management of mucopolysaccharidosis type I. J Pediatr. 2009;155(4)(suppl 2):S32-S46. doi:10.1016/j.jpeds.2009.07.005.  24. Clarke LA, Winchester B, Giugliani R, Tylki-Szymańska A, Amartino H. Biomarkers for the mucopolysaccharidoses: discovery and clinical utility. Mol Genet Metab. 2012;106(4):396-402. doi:10.1016/j.ymgme.2012.05.003.  25. Wood T, Bodamer OA, Burin MG, et al. Expert recommendations for the laboratory diagnosis of MPS VI. Mol Genet Metab. 2012;106(1):73-82. doi:10.1016/j.ymgme.2012.02.005.